Madagascar, Morondava, Baobab Alley, two young children on the road

Conversando com minha aluna sobre a questão do Brasil, coisa que todo brasileiro com mínima escolarização adora fazer, me indignei silenciosamente quando “constatamos” que nada mais poderia ser feito para mudar esta situação política e econômica do país. Que estávamos vivendo um golpe ditatorial silencioso muito pior do que qualquer outro visto na história do mundo. Isso porque foi feito com a participação espontânea de todos. Sim, de TODOS, não só dos pobres, tá? Porque convenceu a TODOS que está tudo bem em se ter NADA desde que se tenha poder de consumo.

Vocês querem saber o que nós temos? NADA. Sabem para o que trabalhamos? NADA. Todos foram hipnotizados por geladeiras inox duplex, por montes e montes de aço sobre quatro rodas, por couro legítimo e falso ecológico pintado de vermelho…

Somos filhos de pais abusivos, violentados deste a infância, há 500 anos atrás, que preferem falar mal dos pais ao invés de mudar a situação. Criancinhas choronas e birrentas, como aquela que vai ao shopping e quer comprar tudo para suprir um vazio interior e uma auto estima mais negativa que a temperatura nos polos.

Pensei, pensei… “deve haver algum meio de mudar tudo isso, que não as passeatas cascateiras e o assassinato do Lula… hummm.. pensa, pensa!!!”

“Já sei: Vou mudar do país! Brilhante!!! E levo a criançinha reclamona comigo na primeira classe, dentro de mim!”

Amiguinhos, vocês que lêem este blog, mais esclarecidos intelecto e energeticamente que a média deste país, compreendam de uma vez por todas e por favor me ajudem: a mudança de fora só é possível quando acontecer dentro primeiro!!! É óbvio que tem saída! Olha lá pra dentro e veja bem o que dá pra mudar.

Você, que está aí lendo, e mais um monte de gente ao redor. Você, está trocando respeito por sapato!!! Você mordeu a isca dos psicopatas que nos golpeiam lá de Brasília e da Casa Branca. Você está trocando a comida e a saúde dos seus filhos, daqui há 30 anos, por bolsa, relógio e 200 pares de sapato! NADA!!!

Reclama da Copa, dos gastos abusivos com coisas desnecessárias, e tá fazendo o que???

Que adianta enfiar o guri num carro blindado e levar até a escola mais cara da cidade. Em 10 anos esta criança não vai saber se comunicar, perceber o mundo e suas reais necessidades, respeitar as pessoas pelo que são, não pelo que tem. Ou seja, NADA.

O nada que nos é imposto pela nossas autoridades é nossa própria criação. Adivinha? Você não está fazendo coisa alguma para mudar a situação porque ela é extremamente conveniente para você. A miséria é que te possibilita ter 02 empregadas, babá, folguista, motorista e todos os luxos ultrajantes que os brasileiros adoram desfilar.

Acorda, Brasil!!! E acorda bem lá dentro, tá?! A rainha da Espanha não tem babá para o filho!!!! Acordaaaaaa!! E vai educar seu filho com o que importa!! Pelo amor de Deus ensina a tirar ao menos o prato da mesa, porque a empregada não é escrava, é só uma auxiliar.

E vem o Nizan Guanaes falar mal do ‘rei do camarote’! Me poupe, né? E vamos nós, falar mal do PT…

Abaixo: EYES WIDE OPEN ( Olhos Bem Abertos ), de Gotye

Eyes Wide Open

With our eyes wide open we
With our eyes wide open we

So this is the end of the story
Everything we had, everything we did
Is buried in dust
And this dust is all that’s left of us

But only a few ever worried
While the signs were clear, they had no idea
You just get used to living in fear
Or give up
When you can’t even picture your future

We walk the plank with our eyes wide open

We walk the plank with our eyes wide open, we
Walk the plank with our eyes wide open
And we walk the plank with our eyes wide open, we
Walk the plank with our eyes wide open, we

Some people offered up answers
We made out like we heard, but they were only words
They didn’t add up
To a change in the way we were living

And the saddest thing
Is all of it could have been avoided
But it was like to stop consuming is to stop being human
And why would I make a change if you won’t
We’re all in the same boat, staying afloat
For the moment

We walk the plank with our eyes wide open, we
Walk the plank with our eyes wide open
And we walk the plank with our eyes wide open, we
Walk the plank with our eyes wide open
And we walk the plank with our eyes wide open, we
Walk the plank with our eyes wide open
And we walk the plank with our eyes wide open, we

With our eyes wide open we
Walk the plank, we walk the plank

With our eyes wide open we
Walk the plank, we walk the plank, we walk the plank

With our eyes wide open we
Walk the plank, we walk the plank

Now this is the end of the story

Olhos bem abertos

Com os olhos bem abertos nós
Com os olhos bem abertos nós

Então este é o fim da história
Tudo o que tínhamos, tudo o que fizemos
Tudo o que tinha, tudo o que fizemos
Está enterrado no pó
E esse pó é tudo o que resta de nós

Mas poucos se preocuparam
Enquanto os sinais eram claros, eles não tinham idéia
Você simplesmente se acostuma a viver com medo
Ou desistir
Quando você não pode sequer imaginar o seu futuro

Nós andamos na prancha com os olhos bem abertos

Nós andamos na prancha com os olhos bem abertos, nós
Andamos na prancha com os olhos bem abertos
E nós andamos na prancha com os olhos bem abertos, nós
Andamos na prancha com os olhos bem abertos, nós

Algumas pessoas ofereceram respostas
Nós fizemos que ouvimos, mas eram apenas palavras
Elas não resultaram
Em uma mudança do jeito que vivíamos

E a coisa mais triste
É que tudo isso poderia ter sido evitado
Mas foi como se deixar de consumir fosse deixar de ser humano
E por que eu iria mudar se você não vai
Estamos todos no mesmo barco, procurando ficar à tona
Por enquanto

Nós andamos na prancha com os olhos bem abertos, nós
Andamos na prancha com os olhos bem abertos
E nós andamos na prancha com os olhos bem abertos, nós
Andamos na prancha com os olhos bem abertos
E nós andamos na prancha com os olhos bem abertos, nós
Andamos na prancha com os olhos bem abertos
E nós andamos na prancha com os olhos bem abertos, nós

Com os olhos bem abertos nós
Andamos na prancha, nós andamos na prancha

Com os olhos bem abertos nós
Andamos na prancha, nós andamos na prancha, nós andamos na prancha

Com os olhos bem abertos nós
Andamos na prancha, nós andamos na prancha

Agora este é o fim da história

Letra e tradução: Vagalume

  • Como eliminar o sofrimento Por que sofremos? As vezes, conseguimos identificar o motivo de um sofrimento e tentamos saná-lo. O problema é quando nos deparamos em seguida com o mesmo tipo de sofrimento ou quando […]
  • Perfeccionismo x felicidade: De que lado você está? Les Demoiselles d’Avignon, de Julien Friedler. Releitura da obra de Picasso feita pelo artista belga. "Todo publicitário sabe disso: somos basicamente movidos pela inveja." Esta era a […]
  • Uma vida simples é mais feliz O título "Uma vida simples é mais feliz, diz arquiteto de apartamento de 19m2" logo me chamou a atenção à matéria do UOL Economia. Ele anunciava sobre uma tendência no mercado […]
  • Trabalho voluntário em rede Muitas pessoas pensam em fazer um trabalho voluntário mas não sabem por onde começar e nem que instituições seriam idôneas para o investimento de tempo, dinheiro e outros recurso. […]