Queridos amigas, é com muita alegria que volto as minha atividades de blogueira depois de dois anos lutando pela minha saúde e vencendo a batalha contra o câncer de mama.

Alguns de vocês acompanharam esse processo pelas minhas mídias sociais. Outros não sabiam e provavelmente se assustarão com a notícia pensando “Como assim “câncer de mama”?? Andrea é uma pessoal tão saudável, tão dedicada as práticas terapêuticas, alimentação saudável, atividades físicas, meditação…”. E foi isso mesmo que pensei de mim mesma quando recebi o diagnóstico: “Porque eu?”

O diagnóstico

Receber uma notícia como essa é devastador para qualquer pessoa. Mas aos 36 anos, morando em outro país, longe da família, tendo se dedicado mais de 20 anos ao “caminho certo” da saúde e autoconhecimento, o conflito emocional ficou ainda maior.

Quando me mudei para os Estados Unidos em 2015, eu notei um caroço na linha inferior da mama direita e me assustei. Antes de deixar o Brasil dois meses antes eu tinha feito um check-up completo e os exames não indicaram nenhuma anormalidade.

A essa altura eu não podia mais contar com meu seguro saúde do Brasil e recorri a uma clínica americana de baixo custo (os EUA não têm sistema público de saúde gratuito como no Brasil). Fiz exames de ultrassom cujo resultado para o nódulo da minha mama foi “benigno”. Me sugeriram refazer o teste anualmente para “acompanhar”.

Para encurtar a conversa do que se tornou uma saga, dois anos depois e alguns falsos exames “benignos” de ultrassom, fui a uma outra clínica (já com um bom convênio médico) onde fui diagnosticada com câncer de mama já com metástase nos linfonodos (as glândulas da axila). Eu estava com câncer há 2 anos sendo diagnosticada erroneamente pela outra clínica!!! Literalmente vivendo com o inimigo.

O tratamento e o suporte das pessoas que amamos

Daí em diante foi uma correria para conversar com vários médicos até encontrar aquela que fosse certa para mim, assim como para definir o tratamento mais adequado. No dia 04/04/2017 começou o tratamento de quimioterapia, constituído de 12 sessões de infusão, repetidas semanalmente ao longo de 3 meses.

Durante a fase de exames e consultas médicas, eu tive o suporte da minha melhor amiga americana Magda Molina (meu anjo), que foi comigo em todas as consultas, exames e sessões de quimio, suporte que considero vital para qualquer paciente de câncer ou outras doenças muito graves. Na batalha contra o câncer, são tantas informações e decisões a serem tomadas que a avalanche de pensamentos e emoções deixa a gente confusa e muitas vezes sem chão. A companhia amorosa e dedicada de alguém faz toda diferença.

Eu nunca fui do tipo de terapeuta que incentivaria um paciente a tratar câncer apenas com terapias alternativas ou dieta. Mas sempre tive certeza do poder dessas terapias e sempre acreditei que são aliadas essenciais ao tratamento convencional.

E assim segui meu tratamento, contando com a minha prática budista, com meditação e exercícios respiratórios para conter as crises de ansiedade, contando com o carinho da minha mãe que veio do Brasil para ficar comigo, de Magda, da minha família e amigos perto ou à distância, assim como do meu então recente namorado, Nathan. Consegui ainda trabalhar durante a quimio e fazer algumas atividades sociais.

Também fiz algumas sessões de acupuntura e massagem, assim como tive o acompanhamento constante de uma psico-terapeuta especializada em pacientes de oncologia, além de um coach. (Sim, coaches e terapeutas também precisam de seus terapeutas rs)

Em agosto passei pela cirurgia da mama para a retirada do que pudesse ter restado do tumor, mas a quimioterapia tinha sido muito bem sucedida e não havia mais sinais de câncer na mama nem na axila. Depois disso ainda passei por 30 sessões diárias de radioterapia, e comecei no final de 2017 um tratamento anti-hormonal que “bloqueia” os meus ovários induzindo o meu corpo a menopausa, já que o tipo de câncer de mama que eu tive se “alimenta” de estrógeno e progesterona, os hormônios femininos.

Durante todo o ano de 2018 eu lidei com as consequências desse tratamentos bombásticos, entre elas o “brain fog“, que são problemas de concentração e memória, fadiga, sintomas de depressão e pós-trauma, problemas digestivos, e uma outra doença do estresse que afeta a tireóide chamada “Graves”, que causa um hipertireoidismo insano. Eu estava “livre’ do câncer de mama mas me sentia ainda muito debilitada, emocionalmente exausta e tentando ressignificar minha vida.

A “luz no fim do túnel” e a chance de recomeçar

Em 2019 eu comecei a ver a luz no fim do túnel. Meu estado de humor começou a melhorar, o remedio da tireoide finalmente mostrou equilíbrio e eu adotei uma dieta “miraculosa” que me ajudou curar todos esse sintomas.

Também consegui voltar à prática regular de exercícios físicos com a ajuda de um personal trainer, e a memória e concentração também melhoraram bastante.

Embora minha vida tenha de certa forma voltado ao eixo “normal”, eu sinto que nada em mim é igual a antes. Por um tempo tive receio de fazer planos de longo prazo, como medo que o câncer voltasse, mas agora isso também se acalmou. Perder o cabelo também foi uma baita “pancada” pra mim, mas me ajustei com o look curtinho.

Principalmente, existe em mim uma certa urgência em viver BEM e viver AGORA. De viver muito mais alinhada ao meu dharma, viver com propósito.

Algumas pessoas relatam que a experiência do câncer as mudou completamente para melhor, que sua história de vida revolucionou, ficou totalmente diferente. Não posso dizer ainda que esse é o meu caso… as minha diferenças são mais internas e sutis.

Eu vivo todos os dias com muita gratidão. Tenho gratidão principalmente pela minha vida e minha saúde recuperada. O conceito prático de ter vivido no inferno da saúde nem se compara ao conceito teórico que eu tinha antes. E minha saúde se tornou ABSOLUTA PRIORIDADE na minha vida, é o valor número UM ao redor do qual organizo toda a minha vida.

Tenho também muito mais compaixão com quem passa por um desafio de saúde, e um imenso comprometimento em ajudar aqueles que buscam mais saúde e bem-estar, assim como em criar ferramentas para os profissionais que dão suporte e cultivam a cura de maneira geral.

Por uma vida com mais propósito

Por isso resolvi relançar o meu site num novo formato. Por mais de 10 anos esse foi um blog com mais de 70 mil visitas mensais informando sobre saúde e qualidade de vida. Agora, a plataforma Wellness Hunter (traduzido para o português “Caçadora de Bem-Estar”) oferece, além de todo conteúdo gratuito, cursos e eventos para que quer dar um passo além na jornada da qualidade de vida. Aqui nossos seguidores poderão contar com a mentoria dos melhores profissionais além de viver experiências únicas e transformadoras.

Eu gostaria muito de contar com o seu apoio nessa missão, deixando sugestões e comentários, participando das discussões e eventos e mandando toda energia positiva.

Para aqueles que já querem começar, estamos oferencendo uma sessão de acesso totalmente gratuita, para te direcionar exclusivamente nas suas metas. É só agendar pelo botão da homepage.

Aqui a gente começa mais uma etapa da nossa jornada, levando cura, entusiasmo e conhecimento aos quatro cantos do mundo. Vem comigo?

  • 07 Receitas de água aromatizada Água aromatizada pode soar como uma "frescura" de festa chique, mas a verdade é que essa versão da bebida pode provocar um verdadeiro milagre na sua disposição para consumir mais água ao […]
  • A importância de reciclar a mente Guardamos ao longo dos anos, consciente e inconscientemente, inúmeras experiências, emoções, sentimentos e memórias em nossa mente. Acrescente também os incontáveis estímulos que […]
  • Porque acordar cedo ajuda a emagrecer?Porque acordar cedo ajuda a emagrecer? Você já ouviu falar que a hora que você acorda pode influenciar na hora de emagrecer? Pode parecer que uma coisa não está relacionada a outra, mas a verdade é que SIM, acordar […]
  • Hello Kitty e Comida de Avião A empresa aérea taiwanesa Eva Airlines, que adota a Hello Kitty na temática. Feriado chegou e você partiu para o RELAX. Viajar é bom demais! Essencial, eu diria. Mas precisamos […]